quinta-feira, 16 de maio de 2013

Acabei de ver...



É tão gratificante quando um filme me surpreende. De maneira positiva, é claro. E ultimamente isso tem acontecido com certa frequência. O filme A BUSCA, com Wagner Moura, é um dos exemplos que posso citar. Após ver o trailer, achei que a história de um pai em busca do filho desaparecido, iria caminhar para o gênero policial, com sequestros, descidas ao submundo, etc. Mas me equivoquei completamente. Assim como esse comovente filme que acabei de ver...A ARTE DA CONQUISTA (The Art of Getting By), de Gavin Wiesen. Indicado por minha filha, iniciei minha sessão acreditando que fosse mais uma comédia despretensiosa, narrando as desventuras de um adolescente nerd em busca do seu débuts sexual. Ledo engano, o filme não deixa de ser despretensioso, mas, pra começar, nem comédia ele é, trata-se de um drama romântico, onde acompanhamos George (Freddie Highmore, visto na nova versão da Fantástica Fábrica de Chocolate), um garoto deixando a adolescência, que passa os dias solitário e envolvido em suas elucubrações sobre a vida e a morte. A convicção de que um dia irá morrer, faz com que ele não dê mais importância alguma a tudo que vem antes, ou seja, não tem amigos, mantém-se distante de sua mãe e padrasto e, sobretudo, cria um bloqueio na escola, impedindo-o de realizar qualquer tipo de atividade curricular. Seus livros didáticos se tornam suportes para os seus desenhos, que rabisca enquanto deveria estar atentos às aulas. Seu professor de artes reconhece seu talento, mas George não consegue encontrar um tema para sua obra. 

Até que surge Sally (Emma Roberts), que por gratidão por George tê-la salvo de um castigo, ao quase ser pega fumando na escola, resolve se aproximar do estranho rapaz. Então começam uma bela e improvável amizade, que embaralha ainda mais a cabecinha do nosso tímido e virgem protagonista. Prova de como nós, seres humanos, temos a incrível capacidade de complicar as coisas mais simples. Mas não há como não se deixar levar pelo seus olhares quebrados e sensíveis e se emocionar com a trajetória que a sua vida vai tomando. Mais um pouco de metragem e eu terminaria com lágrimas nos olhos. Minha sorte foi ter terminado antes disso. Minha filha, porém, deve ter recorrido aos lenços. preciso lembrar-me de perguntar sobre isso. A título de curiosidade, a filha de Steven Spielberg, interpreta Zoe, amiga de Sally.





2 comentários:

  1. Muito boa a resenha!! Eu realmente amei esse filme, me surpreendeu bastante também! E não sabia que a atriz que interpretou a Zoe era filha do Steven Spielberg, muito legal, tenta colocar algumas curiosidades assim que fica massa! rs

    ResponderExcluir

Postagens populares

Pesquisar neste blog